Sobre

Quem e Onde: A pesquisa Habitação Social na América Latina, iniciada no ano de 2018, é conduzida no departamento de arquitetura e urbanismo da UFES, Vitória, ES, por Clara Luiza Miranda e Lutero Proscholdt de Almeida.

O que: Estuda a habitação social latino-americana desde a arquitetura às políticas públicas. Visa conciliar pesquisa e extensão, o escopo é prospectivo, o que institui uma pesquisa-ação. Tem-se a expectativa de promover intercâmbios com instituições e pesquisadores que atuam no setor da habitação social tanto de outros países da América Latina quanto do Brasil. Especificamente dirige-se ao contato com redes latino-americanas de instituições, assessorias técnicas e organizações populares com experiência específica na produção de habitação e equipamentos, comunitários e sociais; cujos eixos centrais sejam autogestão; ajuda mútua, cultura cooperativa; modalidades de propriedade alternativas às vigentes no Brasil, especialmente a propriedade coletiva, ainda, o direito à cidade, o direito à habitação e o “urbanismo social”. Outro aspecto a ser compreendido é a circulação das ideias (latino-americanas) no quadro regional e internacional, sobretudo, intercâmbios e convergências com o contexto brasileiro.

Porque: A justificativa premente advém da desigualdade no acesso a moradia digna na América Latina. Entre 85% e 70% dos territórios urbanos da América Latina são informais. No Brasil, a pesquisa CAU/ Datafolha (2015) indica que 85% das construções não contam com nenhuma assistência técnica. Os territórios “informais” encarnam as desigualdades inerentes ao desenvolvimento desigual capitalista nas escalas espaciais do espaço urbano, regionais, do Estado-nação e do espaço global. Nesse contexto, pondera-se o potencial da autonomia e da participação de usuários e dos autoconstrutores, precavendo o efeito colateral da espoliação, um fator que se soma à exploração inerente ao processo produtivo, promovendo desapossamento e pauperização. O quadro da grave crise mundial da habitação (imobiliária, política e econômica) reforça a importância da pesquisa e da atuação consistente nesse setor.

Além disso, observa-se a urgência de “teorizar nosso próprio espaço e escrever nossa própria história” como diz Fernando Diniz. “…mirar a lo propio con ojos propios” como dizia Marina Waisman. Por isso, investigaremos a agenda da habitação social na América Latina, mirando as proposições que vinculam as “ideias aos lugares” ao elaborar concepções (diagnósticos e prognósticos), ações e intervenções próprias sobre os problemas habitacionais que enfrentam.

Como: Consideram-se conceitos, compreendem-se e analisam-se procedimentos, ações e tensionamentos sobre os problemas do desenvolvimento urbano e da moradia realizados na América Latina, tendo como referências principais o decolonialismo e abordagens sobre o desenvolvimento desigual, o desapossamento e a desterritorialização/ reterritorialização e os tensionamentos entre o local e o global. Tem-se em vista a ruptura epistemológica com pensamentos molares colonizadores, a crítica ao elo entre modernização e colonização, a formulação de novos conteúdos, novas práticas, novos procedimentos projetuais, construtivos e pedagógicos.

Atividades desenvolvidas

Pesquisa Habitação Social na América Latina n. de inscrição 8921/2018 na PRPPGG coordenação Clara Luiza Miranda e Lutero Procholdt de Almeida.

Subprojeto de Iniciação Científica Edital Piic 2018 /2019 Habitação Social na Colômbia, o caso de Bogotá desenvolvida por Zanandra Falcão.

Subprojeto de pesquisa habitações sociais no Uruguai/ Brasil, o caso das cooperativas de habitação por ajuda mútua; desenvolvido por Maria Luísa Barbosa de Souza.

Subprojeto de pesquisa e TFG Habitação Social no Uruguai, o caso da FUCVAM – Federación Uruguaya de Cooperativas de Vivienda por Ayuda Mutua; desenvolvido por Julia Schunck

Subprojeto de pesquisa Habitação Social no Chile, desenvolvido por Caroline Bahiense Guio.

Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal do Espírito Santo, Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil. Mestrando Oscar Eduardo Preciado Velasquez. O arquiteto e a experiência de trabalho com as comunidades: Uma abordagem metodológica. Início: 2018. Orientação Clara Luiza Miranda.

Referências:

DINIZ, Fernando. Trabalho 04:Teorizando O Espaço Nas Américas In. AL ASSAL, Marianna Boghosian. Entre história e projeto: América Latina como horizonte de pesquisa. Simpósio Temático Anais V Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo no Brasil atual: crises, impasses e desafios. do ENAMPUR V, Salvador, 2018.

AL ASSAL, Marianna Boghosian. Entre história e projeto: América Latina como horizonte de pesquisa. Simpósio Temático (Eixo 2) Anais V Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo Arquitetura e Urbanismo no Brasil atual: crises, impasses e desafios. do ENAMPUR V, Salvador, 2018. pp. 4688-4690

Pesquisa CAU/BR Datafolha, 2015. http://www.caubr.gov.br/pesquisa2015/